Foi a poesia que me escolheu!

Foi a poesia que me escolheu!

Deitei-me naquela noite de janeiro.
Fechei os olhos que tristemente
Ficou abalado com a paixão.
Os pensamentos livremente 

Deixou-me quase aos prantos.
Abri os olhos e ouvi um grito
Dentro do meu interior. Ali
Peguei um caderno e dei suspiros.

"Escrevaaaah!", bradou no intimo.
Obedeci sem temer. Não deixei
As quimeras futres me apavorar.
Peguei o caderno e logo fixei

Meu olhar no papel branco.
Escrevi sentimentos que ali
Minh'alma se concentrava.
Aos delírios foi assim 

Que descobri que a poesia
Me encontrou! Aquela
Voz brandando com cruas
Harmonias era os versos dela!






Nenhum comentário