O Dom Quixote traduzido por Ferreira Gullar

Ilustração de Gustave Doré

                                                    
Quem nunca ouviu falar no cavaleiro solitário? Aquele que de tanto ler cavalaria ficou tão maluco a ponto de também "virar" um "herói"? 
Dom Quixote é a obra literária mais lida do mundo. Um verdadeiro clássico criado pelo gênio poeta, dramaturgo e romancista Miguel de Cervantes.

  Foto Miguel de Cervantes (Imagem da internet).

O personagem "Dom Quixote" é daqueles que, além de puxar o leitor para dentro de suas aventuras, faz com que o mesmo queira ser também um verdadeiro louco e almejar que os seus próprios sonhos sejam reais. Mesmo que isso seja pura imaginação. Quixote é um verdadeiro atrapalhado que, na historia, é capaz de ver gigantes quando na sua fronte há apenas um moinho de vento. Não obstante, além de ser um cavaleiro engraçado: quase todo momento na historia ele, junto com seu amigo Sancho, nos faz refletir com as ideias fixadas no roteiro do livro. Pude perceber que também sou um Dom Quixote (Mais a frente explico. Continue lendo). 

Ilustração de Gustave Doré

A edição que pude apreciar foi uma versão mais moderna traduzida pelo poeta e crítico Ferreira Gullar com ilustrações de Gustave Doré e publicado pela editora Revan. Esta tradução exibe uma linguagem simples, fácil para quem tem dificuldade em entender o livro antigo do Cervantes.


"O poeta Ferreira Gullar extrai todo o conteúdo poético e humanista dos cinco volumes da edição original de Dom Quixote, de Miguel de Cervantes. Por meio de uma linguagem moderna e fluida, Gullar consegue tornar o livro mais acessível aos leitores de nosso tempo. As ilustrações de Gustave Doré fazem jus à importância e qualidade da obra. A história mostra um ingênuo senhor rural cujo passatempo favorito era a leitura de livros de cavalaria. Na sua obsessão, acreditava literalmente nas aventuras escritas e decide tornar-se um cavaleiro andante. Suas viagens sucedem-se sob a alucinação de que estava vivendo na era da cavalaria. Combatendo as injustiças, o personagem enfrenta situações penosas e ridículas, mantendo, porém, uma figura nobre e patética. Ao final, Dom Quixote volta à razão, renuncia aos romances de cavalaria e morre como piedoso cristão."

Como citada na sinopse acima, o livro é uma versão mais resumida. Porém o Gullar apenas removeu partes que não seria do 'agrado' aos jovens, pois é uma adaptação principalmente para a categoria infantojuvenil.


Ilustração de Gustave Doré

Li este livro com ritmo mais baixo. Porque acho que é uma historia para de verdadeira forma ler lentamente, visto que a quase toda hora na leitura há algo que impressiona. Esta excelente obra fez-me ainda mais amar livros com personagens cavaleiros. Mas admito que quero mais uma vez o ler, e desta vez não ligar para refletir tanto nas ideias passadas pelos personagens e finalizar a leitura de uma vez sem parar nem para almoçar (apenas com um café ao lado hehe).



O personagem principal, Dom Quixote, para muitos é um ícone de humor, para outros é um herói ou apenas um louco. — Para mim ele tem todas estas características por isso é humano (Estes serão sempre loucos). E eu sou um Dom Quixote por sempre usar a imaginação e querer sair por ai sendo um personagem e esquecer que vivemos entre feras. E cada leitor que ler o grande 'cavaleiro maluco' terá suas conclusões sobre o mesmo.

Traduzir e adaptar uma grande historia para o modernismo sem excluir as partes mais importantes com certeza não é qualquer um que consegue. E o Gullar fez um excelente trabalho deixando o "Dom Quixote" nesta versão para a rapaziada moderna. 





0 comentários: