Indígena - Poema - Danilo Soares

Indígena - Poema - Danilo Soares


Pintou-se o indígena 
E com a garra única sua 

Correu atrás da caça. 
E gritando com a crua 
Coragem atacou na arena 
De terra firme a fraca 

Ave. – Trouxe à mão. 
“Certeiro!”, Sussurrou! 

Levou para sua casa 
O pássaro! E ali falou: 
Se aqui pequei não terei perdão! 
Mas vê, mulher, coloca na brasa! 

Comeu alegremente a refeição! 
“isso foi uma boa benção.” 

- Danilo Soares

Nenhum comentário