RESENHA - Aqui Estou

RESENHA - Aqui Estou


Nada se afasta, não por conta própria
Você lida com isso ou lida com você



Talvez a capacidade de ver nossas vidas num futuro de 10, 15 anos não seja uma boa ideia. Vivemos de um modo inerte à acreditar que todo o momento será sempre uma constante. Onde temos controle de todo planejamento e de todo escape. Não somo somente um produto melhorado e ou avançado de 10 anos atrás, se pararmos para observar, somos outra pessoa, talvez com novos ideais ou novos princípios, mas 10 anos à frente de 10 anos de idade para 20 anos é uma coisa, mas de 20 anos para 30 a história muda. E é isso que Jonathan Safran nos mostra nesse belíssimo livro!


Jacob e Julia são um casal com 3 filhos meninos, Sam de 13 anos, Max de 10 e Benjy de 4. Todos são judeus que vivem na América, conhecidos como Judeus-Americanos. Toda a trama central é girada em torno de 3-4 semanas, tendo alguns feedbacks do passado e alguns vislumbres do futuro. A história começa quando Sam é acusado de escrever algo terrível e coloca em risco o seu bar mitzvah, Julia e Jacob tentam com todo os seus esforços lidar com isso, saber o que farão, até que percebem que seu casamento não está dando mais certo. Jacob tem sua opnião sobre Sam ter escrito ou não, e Julia também, mas ambos descobrem que estão apenas usando Sam e seu bar mitzvah para sustentar seus casamentos. Mas e quando Sam assumir a culpa ou negar até o fim? E quando o bar mitzvah acontecer? Nada disso mais importará quando algo terrível acontecer, um terremoto que 'destruirá' Jerusalém!


Essa é uma história delicada onde uma família esta à ponto de ser destruída por coisas que ao lermos nos identificaremos muito. Jonathan Safran nos faz questionar, até onde conseguimos manter uma farsa para sustentar algo? Somos capazes de nos tornar hipócritas para nós mesmos, sorrindo, chorando, ficando com raiva ou qualquer outra coisa para enganar nós mesmos? Por quantos anos somos capazes de sustentar um casamento somente por causa de nossos filhos? Ele também nos faz questionar sobre quem nós somos num relacionamento, seja num casamento ou numa amizade? Será que o erro de sermos um mal filho, ou um mal marido é temporário ou em qualquer casamento e ou em qualquer família cometeríamos as mesmas coisas? Jacob, Julia, Sam, Max e Benjy aprendem na prática que um pensamento/ensinamento/conhecimento muda às nossas vidas de uma forma irreversível. Jacob e Julia se encontram num momento delicado do casamento, onde se perguntam se vale à pena tentar mais uma vez ou se magoar os filhos é a melhor opção. O título, Aqui Estou, remete ao que Abraão responde à Deus quando Este o chama e Abraão responde: Aqui Estou - E também quando seu filho, Isaque, o chama para perguntar onde está o sacrifício e ele responde: Aqui Estou.


Jonathan Safran nos faz conhecer uma Jerusalém diferente da mídia, nos leva à uma viajem com outros olhos. Assim como encontramos escrito na contracapa, ele realmente faz nosso coração pulsar de agonia. A incapacidade de acreditar que tal coisa iria mesmo acontecer, me deixava aflito durante a leitura. Temos aqui uma história de uma família comum. Temos um casal de 16 anos juntos, onde se têm problemas que todos os casais têm. Um adolescente comum, onde passa o dia jogando Other Life e se masturbando de todas as maneiras que a internet ensina. Um pré adolescente comum, que questiona sobre muitas coisas e uma criança em fase de crescimento. Mas o que não esperamos receber, são os questionamentos que Jonathan nos inflige inconscientimente. Com sua incrível história ele nos faz perguntar à nós mesmos se seríamos capazes de viver da mesma maneira? Também quando foi o momento em que tudo começou mudar? Se foi volunário ou involuntário? Culpa nossa? O pior para mim nessa história foi descobrir muitas coisas à que eu estava vivendo e não percebia, por talvez não querer perceber, ou estar guardado tão fundo que finalmente foi despertado.

Eu amo as histórias do Jonathan Safran, mas assim como eu comentei na resenha de Extremamente Alto e Incrivelmente Perto, a escrita dele me irrita muito. Ele utiliza algumas técnicas de escrita que eu particularmente não gosto, como entrar do nada em um assunto paralelo que te faz perguntar o que ele está falando e "Mas ele não estava falando isso,e agora disso?". Ele também tem, não sei como, a capacidade de mudar de linha temporal numa mesma frase, o que eu não suporto, pois me perco muito. Mas meu maior problema são os seus diálogos, eu SEMPRE me perco nos diálogos. Tinha conversas que eram 4 ou 5 pessoas conversando e eu não fazia a menor ideia de quem era que estava falando, me obrigando à ler com desgosto Como já li outras obras do autor, posso afirmar que ele não consegue desenvolver muito bem personagens infantis. Todos esses personagens sempre são tão inteligentes quantos os adultos, falam e agem como os adultos. Para se ter uma noção, eu achava que o Sam tinha uns 17, 18 anos, mas foi depois de muito tempo que descobri que ele tinha apenas 13! E mesmo assim eu sempre me esquecia disso, pois suas falas e seus feitos eram sempre de pessoas mais velhos, com Max e Benjy foi a mesma coisa. Tirando o fato da escrita do autor, suas histórias são maravilhosas e esse é o meu 4º autore preferido.

Aqui Estou é um livro que conflita diretamente a nossa mente. Nos coloca na posição de pensar em nosso feitos. Recomendo!


Por enquanto é só galera, até mais!
---------------------------------------------------------

Título: Aqui Estou
Autor: Jonathan Safran Foer
Editora: ROCCO
Ano: 2016
Páginas:591

Nenhum comentário