O dia que li Olavo Bilac...

Olavo Bilac! Ah... Olavo Bilac... Qual leitor voraz de poemas que nunca ouviu falar neste nome? Pois é! — Já ouvi muito o nome deste parnasiano, já vi muitas fotos dele em livros e também já observei muitas citações relacionado ao mesmo, mas estaria mentindo se escrevesse que já tinha o lido há muito tempo e estaria ainda mais me enganando se dissesse que sempre o admirei.  Pelo contrário, o achava 'perfeitinho' demais para a literatura. E não só por isso, há também uma pequena resenha da poética do Augusto dos Anjos que ele fez! E foi aí que Olavo Bilac detonou todo o estilo do Augusto. Eu sou admirador do poeta que sofreu a crítica de Bilac; assim sendo, não  precisa entrar em detalhes que, como fã, achei o "Príncipe dos poetas" (Olavo Bilac) um completo ignorante. 



Pois bem, foi neste último período de carnaval que estava tentando ler algo interessante. Eu queria ler poema! Poesia de forma clássica, onde os sonetos tem no último verso um choque sobre o que foi abordado. Deixando meu ego de lado, fui ler o Bilac. Baixei Abri o livro Via-Láctea do autor e logo vi que começa com um soneto totalmente com linguagem formal.

"Talvez sonhasse, quando a vi. Mas via
Que, aos raios do luar iluminada,
Entre as estrelas trêmulas subia
Uma infinita e cintilante escada.

E eu olhava-a de baixo, olhava-a... Em cada
Degrau, que o ouro mais límpido vestia,
Mudo e sereno, um anjo a harpa doirada,
Ressoante de súplicas feria...

Tu, mãe sagrada! vós também, formosas
Ilusões! Sonhos meus! Íeis por ela
Como um bando de sombras vaporosas.

E, ó meu amor! eu te buscava, quando
Vi que no alto surgias, calma e bela,
O olhar celeste para o meu baixando..."

Deitado em minha cama naquela noite disse a mim mesmo: "que espécie de poeta é esse? É um parnasiano com sentimentos do romantismo ou o quê?" —  Tá! Na primeira página eu caí diante uma poética elegante, porém o que mais achei interessante foi em alguns poemas que pareceu que eu estava conversando com alguém e ainda vendo estrelas (pois o autor cria uma narrativa diferente nos textos. E a descrição do poema escrito por ele te leva a um exercício de imaginação igual a alguns romances). 



Li os outros textos do mesmo autor e cheguei a conclusão (Sim, a "única conclusão é morrer", mas há outras também, não é?) que ele pode ser ignorante com alguns poetas, mas é um gênio. Com certeza o chamaria para andar comigo no recreio.  

- Danilo Soares

0 comentários: