A CRUZ E SOUZA - Poema - Carlos Dias Fernandes

A CRUZ E SOUZA - Poema - Carlos Dias Fernandes

Ah! Que eterno poder maravilhoso
Era esse que o corpo re animava,
E que a tu'alma límpida vibrava
Com um plangente carrilhão mavioso?

Que sol ardente, que fecunda lava,
Que secreto clarão mago e radioso
Dentro em teu ser. Como um vulcão raivoso,
Eternamente em convulsões estuava?...

Que anjos alertas, cândidos e graves,
Faziam de teu ser floridas naves,
Cheias de augustos cânticos eternos?...

Que mão foi essa, lívida e gelada,
Que sufocou tu'alma, acrisolada
Na tortura de todos os infernos?...


Nasceu em 20.09.1874 na cidade de Mamanguape-PB. Foi jornalista, pedagogo, poeta, romancista e claramente fez parte do movimento Simbolista da literatura (nacional) brasileira (O que o fez conhecer e trocar pensamentos com Cruz e Souza). O escritor era completamente defensor dos animais; publicou diversos artigos sobre o tema o que revela que era plenamente vegetariano.

Nenhum comentário