A terra - poema - Carlos Dias Fernandes

A terra - poema - Carlos Dias Fernandes


"Terra, estrella sem luz, de fecundas entranhas,

Dentro nas quaes o amor perpetuamente lida ; 

Planeta espheroidal, que no espaço acompanhas

O turbilhão dos soes ; fonte nunca exhaurida



Da seiva germinal—a essência diffundida
Na trama vascular de perfeições tamanhas
— Sejas bemdicta, ó mãe tellurica da vida,
Com os teus prados, vulcões, abysmos e montanhas.

Filho do flanco teu, voltarei consolado
Ao ventre maternal, para florir de novo ;
 Quem sabe onde, como e em quê transubstanciado?

Atomb, esporo, embryão na gemmula de um ovo,
Que importa ? se homem, planta ou seixo inanimado,
Somos todos irmãos— teus filhos e teu povo."

Carlos Augusto Furtado de Mendonça Dias Fernandes 


Nasceu em 20.09.1874 na cidade de Mamanguape-PB. Foi jornalista, pedagogo, poeta, romancista e claramente fez parte do movimento Simbolista da literatura (nacional) brasileira (O que o fez conhecer e trocar pensamentos com Cruz e Souza). O escritor era completamente defensor dos animais; publicou diversos artigos sobre o tema o que revela que era plenamente vegetariano.  

Nenhum comentário