5 poemas de Yuann Lemos

5 poemas de Yuann Lemos



Yuann Lemos Barreto nasceu em João Pessoa, no estado da Paraíba, no ano de 2001. Hodiernamente, vive na cidade de João Pessoa com o seu pai. Quando criança, era fascinado em ler gibis e assim iniciou-se sua paixão por leitura, logo, desenvolveu na sua adolescência o ardor pela criação de frases, poemas e textos. No ensino médio o interesse pela leitura e pela escrita se multiplicou, e os gibis se tornaram livros de filosofia, sociologia, política e literatura, passando de devaneios e pilhérias para assuntos políticos, antropológicos, existencialistas e sentimentalistas. Autores que representam maior influência em sua vida são; Augusto dos anjos, João Guimarães Rosa, Arístocles, Aristófanes, Pausânias, Friedrich Nietzsche, Arthur Schopenhauer, Luís Felipe Pondé e entre outros.

Segue abaixo 5 poemas/prosas poéticas do autor paraibano:


A morte nos mata todos os dias
         
        Mesmo sentindo a luz me pergunto por quê. Dor no meu peito mas não é cardíaca, Dor de cabeça mas não existe remédio, Hipocondríaco e assumo. Alguém grita forte,E me pergunto por quê. Muitos tons de voz, Experimento e deixo que me frustre,sentimentos pouco desvendados que o verdadeiro mistério é o porquê.        Pulo sem medo, quero saber o que a profundeza esconde. A porta de saída é estreita, mas aprendo a ser pequeno. Lá é escuro e o silêncio tem voz alta, nada tem sentido e é perceptível a injustiça. Diante da loucura guardo a sanidade e quando for precisar dessa parte, talvez ainda dê tempo de chama-la.

Rosa sem espinhos


Em horas Desafiadoras prometo a perpetuação da menteO corpo grita e tudo desmorona,a morte diz: “Viva” mas o sentido é contrário.Diante disso, a sanidade se retraie Idealizando o futuro vejo ele estendendo uma rosaPena que todas as vezes o presente o apunhala pelas costas Não sei o que seguir, estou sem um norte, nesse devaneio não tem temperança, ou você recebe a rosa ou você recebe o espinho.

Genuíno 

Pelo instinto natural humano, as pessoas em seu individualismo sempre querem ver seus feitos nomeados como o melhor. Por isso uma mãe sempre acha sua cria bela e perfeita. E assim, iniciou-se a competição humana, pessoas fazendo outras pessoas de escada, exploração dos menos favorecidos e a procura pelo respeito social.O amor pelo próximo perdeu o lugar, a empatia se tornou escassa, e assim, hoje em dia a competição mais difícil é ser o primeiro a amar o outro.

Fidedigno 


Ô sociedade, adotarei as exigências da vossa senhoria.Me tornarei uma máquina, exercendo funções mecânicas.Serei do seu jeito e seguirei suas regras.Porém, cuidado, quando minha vida depender somente de mim.Não corromperas mais ninguém,  Te mudarei, e chorarás de ódio.Nasci para a mudança.

Devaneio do desprazer 

O Meio fio linear que me equilibra
Passos pequenos com medo da queda
Meus olhos me dizem que não é alto
Mas e a opinião do devaneio?
Idealizo o fundo do poço
normais só veem o que lhe é atribuído
Ótica profunda, vejo o sentimento me adular
Digna de inveja,contemple o desprazer.

Nenhum comentário