Estação Ciência - Poema

Estação Ciência - Poema


Estação ciência, um Completo 
Lar cultural, recheado de afeto,
Recheado de vento paraibano.
Ante tanta história, ante tanto
Verde airoso igual lírica de canto,
Imponetizei-me igual parnasiano. 

Explícito é a vasta força d'arte!
Que fazia cambalear cada parte 
Interior de cada visitante.
E o amor pelo estado fica a vibrar!
E eu que ficava delicado a olhar 
O rio, me fazia também rio brilhante.

E no mesmo lago; aquelas estátuas
Antigas riam exibindo as nuas 
Curvas da harmonia feminina. 
Luziam olhos perante aquele vasto 
Espaço que faz donairoso pasto 
No pássaro que cá norte ilumina. 

II

Vejo, revejo e novamente pré-vejo 
Os registros que no canto lá fiz. 
E novamente, querer lá almejo. 

As pinturas dos momentos históricos,
Valorização d'arte e a raiz que fiz,
São lembranças de meus minutos heroicos.

Danilo Soares










Nenhum comentário