O poeta Sérgio de Castro Pinto

O poeta Sérgio de Castro Pinto

Não sei se tenho total responsabilidade para escrever sobre um dos maiores e um dos meus favoritos poetas da Paraíba. Desculpe-me, leitor, se eu num conseguir enaltecer a grandiosidade do então poeta Sergio de Castro Pinto. 

  
O Castro, em sua escrita, brinca com as palavras de um jeito tão natural que, durante a leitura, deixa claro que a língua portuguesa é rica em sonoridade. E esse é um dos fatos que me faz ser tão fã do autor. Um exemplo claro da musicalidade presente em seu texto é o poema abaixo, "as cigarras".


As cigarras

são guitarras trágicas.
plugam-se/se/se/se
nas árvores
em dós sustenidos.
kipling recitam a plenos pulmões.
gargarejam
vidros
moídos.
o cristal dos verões

E um dos livros do poeta que vale apena comentar é o A Flor do Gol. Aqui ele traz uma série de poemas narrando cenas de futebol. O jeito que o Eu lírico leva o leitor para o campo é tão interessante que lhe faz ler e reler os mesmos versos diversas vezes.


LEÔNIDAS

Ciclista
da bicleta
que és

a bola
pedalas
com os pés
e da ponta-
- cabeça
levitas:

beija-flor
que sorve
o néctar do gol

e embriaga a torcida.

Palestras - Bate papo


O trabalho de Castro Pinto não se dá em apenas escrever Literatura, mas também em apresentar a mesma. O poeta realizou/realiza algumas palestras dentro da Paraíba. Participei do Diálogos Poéticos (No Campus IV) e posso contar: estive diante uma aula de poesia.



Com tudo, se entreter e refletir lendo os versos deste poeta, é, sem dúvidas, uma diversão imensa. 





Um comentário :

  1. É,o poeta Sérgio de Castro pinto,sabe encontrar as palavras cativantes.A palavra precisa.E condensa o poema.Diz com palavras exatas o que propõe dizer.

    ResponderExcluir