A poesia de Diomedes Chinaski

A poesia de Diomedes Chinaski

Uma letra de estilo diferente com vasta lírica, fortes metáforas, comparações e um flow absurdo, que desafia um elevado nível do sotaque Nordestino. Diomedes Chinaski é o vulgo de um dos maiores rappers do Rap Nacional atualmente. 


Me deram toda miséria dos meus ancestrais
Mazelas herdadas dos tempos coloniais
Me deram um chão de barro
Um pulmão cheio de catarro
Mistura pobreza e tédio
Tenho a fórmula do bairro
Roupas velhas, baixa estima, déja vus sombrios
Maldita lembrança dos navios
Ao padrão Barbara Sweet me pareço um Deus
Agradeço o fetiche, só que doi demais ser eu...


Nariz largo demais pra ser sex symbol
Pele clara demais pra ser MC, bro
Desde sempre eu nunca soube para onde ir, bro
Acho que vou ter que seguir por aqui, bro
Eu sinto essa loucura em minhas costas
Acupuntura não cura essa bosta
E acredite: por mais que eu tente esquecer
Eu sei que nunca vou ter os meus amigos de volta", Intro Comunista Rico
 Na introdução dessa Mixtape, o rapper utiliza de licença poética, muito usado entre poetas modernos/contemporâneos, quando usa palavras como "baixa estima" e 'bro' essa última, presente principalmente na periferia. É interessante também afirmar que Diomedes abusa de toda a liberdade do rap para rimar da melhor forma possível, exemplo disso é quando, cantando, ele rima "sex symbol" e "mc, bro" e as palavras ganham fonemas muito parecidos.


Referências


Grande parte dos 'sons' de Diomedes são ricos em referências literárias, culturais ou filosóficas. O uso de nomes de autores ou obras populares sempre vem a dar uma maior informação e traz um grande domínio do assunto abordado em suas letras. E o rapper pernambucano abusa de seu conhecimento. Exemplo claro é em:  'CypherBox1' "Expurgo" com Nissin, Baco Exu do Blues & Rapadura', onde ele cita o escritor Charles Bukowski.

Às vezes uns tão radicais, mas base teórica nada,
Nunca invejei ninguém, na verdade ataquei a estrutura,
Uma grande manobra arriscada como Bukowski em literatura

 Ou em sua música 'Tipo Maçom' onde ele cita o Sun Tzu, autor de A Arte da Guerra.

Glorioso tipo 2pac
Engenhoso tipo Da Vinci
Estrategista tipo Sun Tzu
E, na mesma música, exalta o poeta Carlos Drummond de Andrade na rima:

Tô voando igual Santos Dumont
Poeta tipo Carlos Drummond

Metáforas e histórias

Diomedes muitas vezes acaba falando de sua própria trajetória no Rap Nacional e, com isso, acaba usando metáforas impressionantes. 

O dobro do que Dalsin fez
Chinaski já fez, mais de uma vez" Em:
Sulicídio
São vários dias sem faltar no estúdio
Estudo, e nem tudo cura essa dor
Plantamos raízes reais nesse chão
Depois nós matamos esse lenhador
Esses caras me apunhalaram nas costas
E agora vão ter que provar meu ardor" Em: Comunista Rico
 — Como já dito, Diomedes Chinaski é uma das vozes mais talentosas da cena atual do Rap. É um poeta com versos poderosos e, em suma, um artista de grande importância para o Nordeste.

Nenhum comentário