RESENHA - F de Falcão

RESENHA - F de Falcão



O luto chega para todos, seja pela morte de um vizinho, um amigo ou até mesmo de um ex, todos sentimos uma tristeza profunda. O luto age em cada pessoa de maneiras diferente, independentemente de como amamos a pessoa que morreu, uns lidam com o luto de maneira mais branda, outros sentem um pouco mais fundo e  chegam até mesmo à passar por alguma depressão, e foi justamente isso que acontece com Helen Macdonald em sua auto-biografia.

Após perder seu pai, Helen fica totalmente desolada, sem saber o que fazer e nem para onde ir. Durante a leitura vamos vemos cada vez mais forte como era a relação dela com o pai e com a infância do pai o que nos faz entender mais de sua paixão por falcoaria. O que Helen passa, todos nós passamos também, ela encontrou na falcoaria, algo que praticava desde à infância, uma forma de entender a ausência do pai, uma forma de se sentir completa e feliz de novo, mas o que todos nós sabemos é que pessoas não são substituíveis jamais, e é nesse ponto que F de Falcão toca. Até quando nossa mente consegue fugir da necessidade de sentir a perda?

Sua relação com Mabel, seu falcão, chega à um extremo de ela se sentir como um falcão, viver como um falcão, somente para não sentir a perda do pai, e isso nos faz imaginar se já vivemos também dessa forma. Se por causa de um problema, uma dificuldade ou por depressão acabamos de agir como hmanos, ou como nós mesmo e por isso sempre chegamos à um extremos que chamamos de 'estourar'. Helen passa por tudo isso, esquece quem é, fica desempregada e vive uma vida que não era sua.

F de Falcão pode ser lido por todos, mas deve ser lido especialmente por aqueles que estão passando pelo luto ou por uma depressão por qualquer motivo. Com essa leitura talvez você consiga se conectar consigo mesmo, consiga deixar coisas, pessoas e lugares que lhe faz mal. Helen nos descreve lugares e pessoas que não conseguia mais deixar de lado, pessoas que sem saber, lugares que sem compreender lhe faziam mal. Helen nos ensina que é preciso sair um pouco do habitual, somente para deixar a mente e alma sentir o que se deve sentir.

Muito além de luto, F de Falcão fala sobre depressão profunda e angústias. Com seus altos e baixos na história, sua leitura começa um tanto pesada no sentido de chata e monótoma (Demorei um pouco para pegar no tranco). Porém como nunca paro de ler um livro, continuei sua leitura e pude entender que seu início de propósito e quanto mais lia mais via sentidona escolha de Helen para um início monótomo. com o decorrer da história conhecemos personagens reais que conviveram com Helen e entendia seu luto, amigos e famíliares que à ajudaram mesmo quando ela não queria ajuda. São centenas de pequenos fatores que me fez terminar F de Falcão com um ar de quero mais, com vontade de conhecer Macdonald e lhe desejar boa sorte, e conhecer mais ainda seu falcão, Mabel. Do início ao fim todos nós conseguimos nos conectar com alguma verdade que Helen viveu e que nós estamos vivendo ou já vivemos. Verdades que muitas vezes só nós mesmos sabemos, e é nisso que Helen mais fala, em momentos que se era preciso fazer o próximo conhecer à nós, foram os momentos que mais escondemos e passamos à viver uma vida de mentiras por culpa nossa sem nós nem mesmo sabermos. Um dos pontos mais legais do livro, é sua enorme admiração pelo escritor T. H. White, um explêndido falcoeiro, dono de grandes obras literárias como a recontagem da história do Rei Arthur.


Na imaginação, tudo pode ser restaurado, tudo pode ser consertado, as feridas saradas, as histórias concluídas.

Por enquanto é só galera, até mais!
---------------------------------------------------------

Título: F de Falcão
Autor: Helen Macdonald
Editora: Intrísica
Ano: 2016
Páginas: 288

Nenhum comentário