Nirvana - Poema - Danilo Soares

Nirvana - Poema - Danilo Soares

Morrendo em milhões de dores imunes,
Mas, entre perdas, perdas e mais perdas
Reergue vivendo num forte mindfulness  
E goza entre sua direita e esquerda.

Pois é a força da meditação,
Pois é a força dessa natureza
Que o faz gozar da paz e da atenção,
Que faz queimar toda sua frieza.

Sorrindo no presente vive impune.
Seu foco traz riso, porque a paz herda
E um mar e ar puro nele se une. 

As vezes tudo é complicação...
E, porém, nessa grande dança lerda
A derrota será a gozação.


Nenhum comentário