MachelMtcrew e A Maldição do Pérola Negra

MachelMtcrew e A Maldição do Pérola Negra





Diversas vezes o artista precisa colocar para fora a sua agonia, alguns colocam em poema, outros em pintura, música e assim por diante. O poeta Augusto dos Anjos fez o seu grito no poema "Monólogo de uma Sombra", Edvard Munch no quadro O Grito e o rapper Machel, em ritmo e poesia, também desabafou através da canção "Amaldiçoado".  

O que é um grito? 

 O dicionário Aurélio diz que "grito" é: "1. Voz, geralmente aguda e elevada, que se ouve ao longe", todavia, na arte um grito é algo mais significativo. Quando um artista vem a desabafar acerca de algo através da arte, ele está gritando, talvez para não morrer de agonia ou simplesmente para ser escutado (e não ouvido). A arte muitas das vezes serve como terapia ou companheira para o melancólico. Um poeta escreve textos longos sobre a solidão, como é o caso de Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos e Cruz e Souza; artistas plásticos pintam obras com tons delicados, como Van Gogh e Edvard Munch; no rap nacional você também encontra artistas sensíveis como Luiz Lins, Amiri, Duzz, Konai e o jovem independente MachelMtcrew que, na obra Amaldiçoado, da voz a um Eu Lírico um tanto perturbado. 



 Amaldiçoado

Na vida, quem é amaldiçoado? Quem merece ser julgado pela cor da pele ou pelo simples fato de escolher viver a vida de maneira diferente? Entre tantas questões políticas e pressões psicológicas, MachelMtcrew, cantando como alguém da margem do país, grita: 


"Eu quero que o mundo queime todo dia sim
Só porque ele mata todo dia uma parte de mim
[...] No fundo eu me sinto um CAOS
Todo dia bem, toda noite mal"

Se no passado, na obra expressionista O Grito, Munch estava pintando uma angústia, na conjuntura atual o Machel está fazendo o mesmo, embora em gêneros artísticos distintos, uma vez que o sentimento expressionista do rapper está presente em uma canção.

A obra 


Em uma visão geral, o jovem rapper produziu uma música rica em figuras de linguagens como: metáforas, antítese, paradoxos, ironia. Além disso, aqui ele, vestindo um flow de batalhas de rimas, faz um desabafo ao racismo. Também vale lembrar que na presente obra se encontra referência ao grupo Racionais Mcs e até mesmo à cultura pop como o herói Pantera Negra.
Em última análise, o som de Machel é fantástico e pode ser usado para debater diversos temas, tanto na arte, quanto na psicologia e política.


 

 


Nenhum comentário