"Passageiro" é o novo som de Tatsuo, rapper jacarauense

"Passageiro" é o novo som de Tatsuo, rapper jacarauense


A realidade deslinda o quanto os seres são passageiros. Todos os seres vivos estão destinados a morrer, eis o fato. Todavia, o rapper paraibano Tatsuo — membro da Batalha da Preguiça e compositor de canções tais quais Levando na Pureza e Quando Eu Penso Nelana estreia de sua nova obra, traz à tona uma visão conturbada da efemeridade do homem, infinitamente além da compreensão clássica e pessimista de morte.

 
 
O tema da liberdade, bem como a metáfora das aves, são pivô para debates acalorados na área da filosofia. Escarafunchando o âmago da mente artística, encontra-se tais comparações em versos como: “Minha alma foi jogada às traças/ E tipo passarinho, se eu quiser subir de novo, vou ter que bater minhas asas”. Nota-se que o música se emprega como uma ave a qual, mesmo com as desavenças familiares e distúrbios psicológicos decorrentes, persiste em ruflar as asas em alçar voo. E de que modo não se remeter a Castro Alves e seus contemporâneos condoreiros, cuja linguagem elevada e grandiloquente cedia-os o dom de flutuar como os condores. Em um trecho posterior, Tatsuo brada:

“[...] Sou Passageiro dentro do pássaro
Sei que vem as turbulências
Mas uma hora eu estabilizo o voo”

Como supracitado, o trabalho denota os traumas íntimos do artista e, lançando mão do ritmo e da poesia, este se purgou por meio da música, como uma ab-reação a qual expectava sua própria libertação. Além disso, no som, Tatsuo expõe sua críticas à desigualdade e a hipocrisia no âmbito social:

“Seu filho é um traficante
Seu filho é um meliante
Mas se for juntar todos os fofoqueiros da minha cidade pra montar cesta básica, ninguém passava fome!
Olha ela na igreja, dá um close, foca!
Quando sair dali vai falar da vida alheia
Na sua roda de fofoca”

Ao término da composição a música sauda o amor romântico como se tal fosse a solução. A quem o rapper entregou seu amor e confiou-lhe o destino de sua paz?
“Nêga, quando cê chegou se apresentou a calma
O calor do seu corpo aquece minha alma”


O Som


“Pra mim esse trabalho é uma libertação em todos os sentidos. O passageiro dentro do pássaro é a ideia do Power Rangers dentro do Megazord. E por mais que o voo da vida tenha turbulências, você consegue tomar o controle e estabilizá-lo. Realmente se fosse uma palavra, seria: libertação!”
— Tatsuo, Mc.

“Passageiro é um single que fala sobre a dualidade. A escuridão dos tempos atuais e a luz de um dia que já existiu contrastando com as luzes de um futuro que esperamos que chegue. É a poesia do oprimido para uma sociedade opressora. Uma crítica, uma fábula, um conto, de quanto precisamos ser claros para sermos ouvidos. Quando nossas palavras são tratadas como lixo. Enquanto o lixo de verdade tá falando muita m**** e pessoas estão aplaudindo e idolatrando.”
— Arnobio Netto, professor de arte
.
“Pois é. Impressiona-me o Tatsuo. O homem é o artista. Um demônio fazendo rap! Ele consegue mexer com a empatia do ouvinte. Nesse novo trabalho, consegui enxergar sua rebeldia e me identifiquei. A boa arte existe no Vale mamanguapense e Tatsuo é uma das provas.”


                                                               
— Danilo Soares, escritor.

“Na primeira vez que ouvi o Tatsuo rimando no beat, eu me arrepiei. É uma coisa que entra em sua alma, tá ligado? As linhas: "Internamente melhor/ Pra seguir esse caminho/Em dias são mares de rosas/Em outros dias tsnunames de espinho", já são importantes pra mim, porque é isso!”
                                                                                                                          — Yank, produtor.


Ficha Técnica do som:


Captação de Voz e produção visual: Planty
Letra/Vozes: Tatsuo Zn
Beat/Mixagem/Masterização: Yank
Filmagem/Fotografia/Edição & Finalização: Roma


Nenhum comentário