2020 foi um sopro

2020 foi um sopro

Na estrada infinita se foi primeiro
A fonte cristalina soterrada,
Um rio tã alegre, exímio caminheiro,
Corrente doce, muito saboreada.

Logo, essa vida soprou inda mais.
Ela soprou todo o ano em um só sopro,
Levou a paz, levou os meus iguais,
Cortou a esperança com um escopro.

Desgraça. A ave branca chorou sangue,
O povo fechou o riso no semblante,
Os narizes tinham lama do mangue,

E pouco era o tempo para os amantes,
Pois o mundo triste não era cantante,
Posto que o sol estava podre e exangue.

 

- Danilo Soares 


 

 


Nenhum comentário