Eu li Reinações de Narizinho... Ah!

Eu li Reinações de Narizinho... Ah!

 

 

Amigos, venho aqui para falar da grandiosidade de Reinações de Narizinho, obra escrita pelo escritor brasileiro Monteiro Lobato. 
 
Ao visitar o Reino das Águas Claras, Narizinho faz muitos amigos e ainda conhece quem pode fazer sua boneca Emília falar! De volta ao sítio, ela conta as novidades ao seu primo Pedrinho e juntos, recebem ilustres personagens de contos clássicos, como Pequeno Polegar, Cinderela e Branca de Neve, e partem para uma viagem inesquecível ao País das Maravilhas, onde conhecem os criadores das fábulas mais famosas do mundo!

Pois bem, sem enrolações, estamos diante uma grande obra infantojuvenil. Uma obra que me fez viajar realmente em diferentes aventuras. Antes de ler o livro, já tinha assistido ao episódio "Reinações de Narizinho" da serie, quando criança. Concordo que a serie é boa, mas não se compara com o livro, posto que esse me deu uma sensação ainda mais estranha e satisfatória: é como se eu tivesse realmente dentro das histórias. Sim, histórias no plural mesmo, pois Lobato nos leva a muitas aventuras, contendo até mesmo referências a outros personagens populares como: Aladdin, Peter Pan, Gato Félix... o que deixa a obra ainda mais dinâmica.  

É nesse livro que a menina (quer dizer, boneca de pano) Emília aprende a falar. Sim, em uma cena cômica, após ter engolido uma pírula de um tal Dr.Caramujo. Creio que basta essa informação para deduzir que o Lobato nos faz entrar realmente no imaginário sem sentido de uma criança. 

Não ache esse livro bobo, pois na verdade ele é um livro com excelentes ideias, muitas vezes. Por exemplo, em um dos meus capítulos favoritos, lá no mundo das fábulas, onde um sábio fala algumas coisas engraçadas e com coerência a criançada.


"Nós, sábios, também não fazemos outra coisa - disse ele. - Mas como dizemos nossas tolices com arte, o mundo se ilude e as julga alta sabedoria", Reinações de Narizinho, pg: 252, editora Ciranda Cultural.


 Tá, dei os elogios, mas o que tenho de ponto negativo a falar? O livro tem muitas vezes capítulos e descrições longas, o que pode ser cansativo para as crianças. Imagino que será mais prazeroso para elas ouvir a leitura do livro (principalmente vinda dos pais) do que elas mesmas lerem. 

Ademais, outro ponto negativo: existem passagens que devem ser debatidas. Lobato usa de expressões racistas muitas vezes, é verdade. Isso incomoda. Será que ele estava escrevendo de acordo com o pensamento da época? Será que ele realmente era racista como dizem? De um lado temos os militantes chatos da internet, querendo "cancelar" a obra dele, de outro lado temos os fãs do escritor fechando os olhos a essas problemáticas também. O que devemos fazer é debater com cautela. Lobato escrevera um grande livro, isso é indiscutível, mas contendo problemáticas também. Devemos jogar essa obra fora? Debatam.



O petróleo é nosso”, as derradeiras palavras de Monteiro Lobato - Jornal  Opção


"Monteiro Lobato (1882-1948) foi um escritor e editor brasileiro. "O Sítio do Pica-pau Amarelo" é sua obra de maior destaque na literatura infantil. Criou a "Editora Monteiro Lobato" e mais tarde a "Companhia Editora Nacional". Foi um dos primeiros autores de literatura infantil de nosso país e de toda América Latina."
 
É isso. Gostei da obra. Daria 4/5 estrelas, mas tenho medo que a boneca de Pano, Emília, venha ter comigo. 5/5 estrelas!


 

Nenhum comentário