Minha resenha de Helena - Machado de Assis

Minha resenha de Helena - Machado de Assis

 Antes de tudo, trata-se de uma história escrita em sua fase romântica, e foi isso que me incomodou em certos momentos: Machado limitou-se um tanto à escola. Aqui é possível encontrar a idealização romântica da musa, do bom amigo, do amor paterno. Mas não se preocupe, hahaha; o autor sabe fazer direito, isto é: esses trechos 'idealizados' não são tão exagerados como a obra de José de Alencar (desculpa a comparação)

Acerca da história, temos, de início, o senhor Conselheiro Vale que falece por conta de apoplexia. Ele deixa dois filhos: Estácio e D.Úrsula, além de um amigo, o Dr. Camargo. Certo?! Mas cadê a Helena? Meu caro, esta surge um pouco depois da morte do velho. Ademais, ela tem sua importância na história, pois tambem é "filha" (se tu leres o romance, vais entender as áspas) do falecido Conselheiro, hahahah; aliás, de início, ela se encontra em um internato, até que, depois que a família descobre uma carta do falecido, a qual afirmava a existência dela como sua filha, adota a garota. Pois é, tá confuso?! Ainda é pouco! E se eu te disser que a princípio a Helena não fora aceita pelos seus 'novos' irmãos, Estácio e D. Úrsula? Mas relaxa que aos poucos a moça vai ganhando a confiança da família.

E Estácio acaba gostando tanto da irmã (Helena), mas tanto, que até tem uma paixãozinha. Opaaa, não pode, não! Como assim? Incestoooo?

"A princípio foi esse olhar um simples encontro; mas, dentro de alguns instantes, era alguma coisa mais. Era a primeira revelação, tácita mas consciente, do sentimento que os ligava. Nenhum deles procurara esse contato de suas almas, mas nenhum fugiu. O que eles disseram um ao outro, com os simples olhos, não se escreve no papel, não se pode repetir ao ouvido; confissão misteriosa e secreta, feita de um a outro coração, que só ao céu cabia ouvir, porque não eram vozes da terra, nem para a terra as diziam eles"

Contudo, existem outros fatos na história que são capazes de prender o leitor, por exemplo: algumas críticas sociais que Machado já estava tecendo, além de elementos da própria história, como uma mulher que traiu o marido. A obra não é prima como o Dom Casmurro, mas é boa, sim. 

 


 

Nenhum comentário