O fenômeno Clarice Lispector

O fenômeno Clarice Lispector

Os jovens decidem continuar popularizando a Clarice Lispector nas redes sociais. Pois é, os jovens brasileiros, quando param para se reunir, acabam realmente conseguindo a popularidade de seus ídolos. Do estrangeiro, já trouxeram o Bukowski, o Nietzsche e a nova onda é o Zygmunt Bauman com sua liquidez insuportável. Mas estes são momentâneos, não demorarão muitos meses para esse povo parar de falar de Bukowski no Instagram, Facebook e Tumblr, o mesmo para o Nietzsche e o Bauman. Mas e a Clarice?! A Clarice Lispector nunca saiu de moda e, pelo visto, nunca sairá. Nunca mesmo. Suas frases são compartilhadas cotidianamente por diversas páginas, frases autorais e até mesmo frases não autorais, parece que o brasileiro anônimo criou o pseudônimo “Clarice Lispector", assim, quando decide publicar algum pensamento, mas sem revelar sua verdadeira identidade, atribui a ele, tipo assim: maçã com mel é uma delícia — Clarice Lispector.

 

Eles, os jovens, compartilham também uma entrevista que a Clarice concedeu à Tv Cultura. Particularmente, acho que é a melhor entrevista de um escritor. Lá está a Clarice cansada de alma. Inverossímil, com um enigma muito diferente do seu enigma juvenil.

É impossível explicá-la e quem tentar estará limitando-a. Então os rótulos que esses jovens dão estão incorretos. A chamam de “depressiva”, quando na verdade, ela era simplesmente incompreensível — parece procurar a essência que já encontrou. Clarice é Clarice, nada de depressiva, tudo de inexplicável.

Mas até que me faz bem esse fenômeno “Clarice Lispector” nas redes sociais, uma vez que ajuda a divulgar a boa literatura. Aliás, tomara que os jovens conheçam as crônicas dela, daí sim vamos ver uma maior identificação.
 
- Danilo Soares
 

 

Nenhum comentário